Azulejista

Criar um mundo, criar mundos

Criar um mundo, criar mundos*


Quando grande parte do grupo chegou, viajando desde diversas capitais do país e depois, deslocadas a partir de São Paulo e Rio de Janeiro, os carros chegaram na terrinha sincronizados. Pela primeira vez juntos, rapidamente formamos um círculo, imagem do mundo que iríamos constituir nos dias à frente. Emoção nos olhos de reconhecer que o desejo do outro encontrara um comum. Vontade partilhada de habitar o espaço considerando toda sua espessura: natureza brilhante. No dia a dia, aprender a mágica dos elementos. Fazer arte, fazer o fogo, fazer o pão. Entender o tempo de cada matéria disponível e sua energia. Um morador da Ecovila, disse-nos “conhecimento também é energia”, energia em sentido amplo que seria descoberto durante a permanência ali.

Na construção de uma Ecovila conhecimentos diversos são somados porque o que é desejado – e necessário hoje – é dar conta das adversidades da vida, melhor dizendo, da manutenção da vida, com responsabilidade. Mas o que tudo isto tem a ver com arte? Em linhas gerais, um objetivo das Ecovilas é buscar novas formas de estar-no-mundo e relacionar-se a ele, sendo uma alternativa às realidades ambientais muitas vezes impensadas dos espaços urbanos (e criadoras de formas sintéticas de vida). Um teórico desta área, Henri Lefèbvre, escreveu na metade do século passado que há uma “revolução urbana” que temporaliza a vida no campo e a condiciona a dispositivos “importados” das cidades. Um desafio que as Ecovilas desejam enfrentar, mas não para reverter os processos da cidade retificando sua existência, e sim para criar condições em uma escala humana em um outro lugar, escala passível de ser abraçada, percorrida, descoberta. Criar uma Ecovila no indistinto do mundo, perpetrado economicamente, parece ser um desafio semelhante a criar a arte (re)conectanda com os sentidos, quase à forma de uma linguagem que se renova.

(…)

**


Leia o texto na íntegra na página do projeto piloto da residência Interações Florestais

**

* Este texto é a versão completa do texto homônimo publicado no Catálogo impresso Interações Florestais, Residência Artística 2008. Projeto apoiado pelo Edital Conexão Funarte/MINC/Petrobrás em 2008.

**


domingos_dia-a-dia1Fotografia: Domingos Guimaraens

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: